O Nascimento

Amigo é coisa para se guardar debaixo de sete chaves […]”

O nosso cotidiano, muitas vezes, não passa de uma peça teatral. Estamos interpretando papéis a todo o momento. Moldamos a nossa maneira de agir de acordo com o perfil da pessoa que está nos vendo e o que ela nos representa. Detestamos mostrar nossas fraquezas e gostaríamos de controlar tudo o que os outros pensam sobre nós. Queremos, a todo o momento, consolidar a idéia de que nossa vida é maravilhosa e não possui um defeito sequer.

Contudo, há aqueles momentos nos quais não precisamos atuar, não precisamos esconder defeitos e não precisamos nos preocupar em estabelecer uma falsa imagem de que “tudo está ok”. Esses momentos são os que estamos na companhia dos seres mais indispensáveis na vida de qualquer indivíduo: os amigos.

A amizade vem do latim amicus (amigo), uma derivação de amore (amar), e caracteriza um dos sentimentos mais nobres do ser humano.  Dizem que a amizade é algo instintivo e teve origem lá nos primórdios de nossa origem, quando a espécie humana tinha a necessidade de estabelecer uma cooperação mútua a fim de garantir a sobrevivência. Pois é, meus caros, é possível que a amizade tenha surgido a partir do interesse de “proteger” e “ser protegido”.

A teoria acima é crua e anti-romântica, mas traduz algo que é a mais pura verdade: o início de uma amizade sempre é marcado por um interesse em comum. A espécie humana tem como necessidade (quase que básica) se relacionar e interagir com o outro. Os senhores da psicologia gostam de falar que em nosso subconsciente há algo chamado “identificação”. O homem está sempre “selecionando” (inconscientemente) aqueles que mais se adéquam ao seu perfil e necessidade do momento. O cérebro faz isso, justamente, para suprir essa necessidade (interesse) de “socialização” que cada indivíduo possui.

Com o tempo, a amizade deixa de ser apenas um “interesse em comum” e se torna uma relação de cumplicidade. A confiança passa a ser a peça chave. É aí que deixamos de atuar, mostramos nossos defeitos, falamos dos nossos problemas e ficamos sempre dispostos a ajudar um ao outro. Amigo de verdade é aquele com quem você consegue conversar sendo você mesmo.

Definindo: O embrião é a identificação, depois de um tempo, formam-se as células de interesse, a confiança começa a tomar forma e, finalmente, nasce a amizade.

Feliz Dia do Amigo, amigos!

Bruno Souza

Citação: Fernando Brant/Milton Nascimento (Canção da América)

Anúncios

Sobre Santa Balbúrdia

https://santabalburdia.wordpress.com/about/

Publicado em 20 julho, 2011, em Balbúrdios - Bruno Souza. Adicione o link aos favoritos. 5 Comentários.

  1. Adorei a definição Bru 🙂
    Feliz dia do amigo, dupla!

  2. Hey dupla (ENGULA BÁ!), texto nu, cru, ótimo e instigante como de costume ;D
    Pra quem quiser saber mais sobre “círculos de amizade” http://bit.ly/r38v75

  3. Márcia Carrilho Souza

    É isso aí, o sentimento mais nobre do ser humano.
    Lindo!!!!!!!!!!!
    Feliz dia do amigo pra vc tb….Filho.

  4. Muito bom Bruno….
    uma definição BEM científica e característica sua!!!
    ;D
    parabéns e feliz dia do amigo tb

  5. Amei o texto. Direto, sucinto.
    Mas, por certas razões não comentarei mais…aliás nem precisa. Né amigo?
    (você sabe o quanto estou mole esses tempos ¬¬” rs)

    Feliz dia do amigo, e…saudades!

    :*

Comente você também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: